Pais devem acautelar-se no regresso às aulas

O regresso às aulas chega numa altura em que se inicia a época das constipações, gripes e infecções respiratórias.

Mais: com a retoma do quotidiano escolar, voltam as grandes aglomerações de crianças nos mesmos espaços e regressa a prática de exercício físico na escola que, embora seja extremamente benéfica para estas crianças, pode exigir alguma atenção especial, sobretudo quando o exercício é praticado ao ar livre com as crianças expostas ao ar frio.

Acresce ainda o stress e a ansiedade que podem pesar sobre a criança nesta altura, com as eventuais mudanças de escola, de turma, de professores, etc.

É um período crítico para as crianças asmáticas e alérgicas. Juntos, todos estes factores tornam mais provável que haja um descontrolo da doença e que retornem os sintomas e até mesmo as crises. Aliás, alguns estudos indicam que é exactamente nesta altura do ano que se registam mais visitas de crianças com asma aos Serviços de Urgências.

Por isso, com o regresso às aulas, os médicos aconselham os pais de crianças com asma a tomarem uma série de medidas que visam acautelar a ocorrência de crises no início deste ano lectivo, o que poderia repercutir-se de modo negativo sobre a assiduidade às aulas e, consequentemente, sobre os resultados escolares.

O aviso é sério. Segundo os especialistas, cerca de 11% das crianças que frequentam a escola sofrem de asma. Nos Estados Unidos, calcula-se que, todos os anos, os estudantes asmáticos faltem 13 milhões de dias às aulas por causa da sua doença. Este será um dos motivos mais frequentes pelos quais os miúdos não vão à escola e, certamente, um dos mais evitáveis.

Posto isto, os médicos apelam aos pais para levarem as crianças a fazerem um check-up à sua saúde respiratória, mesmo se tudo parece correr sobre rodas. Ainda que a asma pareça sob controlo, a consulta será uma excelente oportunidade para reavaliar as medicações e ponderar a realização de medidas para diminuir o risco de infecções que são causas muito frequentes de agravamento da asma nesta altura do ano.

Do mesmo modo, a visita ao médico poderá ajudar a traçar uma estratégia, a montar um plano de acção para o caso de a asma atacar inadvertidamente. Esse plano deve ser escrito de forma rigorosa e detalhada, sem deixar nada de fora. Dele devem constar, como é óbvio, a informação pessoal sobre a criança em causa, mas também os sintomas que ela costuma apresentar, os medicamentos que toma, as limitações fixadas pelo médico e, finalmente, a atitude a tomar no caso de uma crise.

Elaborado o plano, aconselha-se a distribui-lo as pessoas que lidam com a criança no dia-a-dia, desde os professores ao treinador. Nessa altura, os pais poderão aproveitar para conversar um pouco com todos eles, discutindo, inclusivamente, quais os factores desencadeantes da asma, bem como recolher informação sobre a escola, sobretudo se não é a mesma do ano passado.

É, também, fundamental conhecer a disponibilidade dos profissionais que lá trabalham, sensibilizá-los para o assunto e solicitar-lhes ajuda. Afinal, esta deve ser uma tarefa de todos.

Para que estejam descansados enquanto os filhos estão na escola, há mais alguns passos a dar. Confirmar a data de validade dos medicamentos e acautelar as respectivas prescrições são dois deles. Mas de nada servirá fazê-lo se não se assegurarem de que a criança traz sempre consigo o inalador de alívio de sintomas, que é capaz de o utilizar correctamente ou que alguém será capaz de o administrar de forma eficaz, designadamente nos mais novos, quando não conseguem fazê-lo por si sós.

Outra medida é questionar o responsável da escola e os profissionais sobre o historial de crises de asma dentro de muros e o seu desfecho, procurando saber se existem pessoas com treino no socorro a estes casos. Caso o seu filho tenha alergias susceptíveis de lhe causar um choque anafiláctico, certifique-se de que a escola está a par da situação e sabe o que deve fazer em caso de reacções graves (a criança deve ter sempre consigo a placa que o identifica como alérgico e a caneta para auto-administração de adrenalina).

Reveja os planos de evicção alérgica e faça os ajustes necessários. Ensine as crianças a conhecer e evitar os alergéneos que lhes fazem mal. Caso o seu filho tenha alergias alimentares, relembre-lhe que não deve aceitar comida dos colegas e deve informar a escola e discutir os pormenores da alimentação com os responsáveis pelo Refeitório (ou peça ao professor responsável que o faça).

Durante os primeiros tempos de aulas, esteja atenta ao sono do seu filho. Se tosse, chia ou acorda muito frequentemente é porque a doença não está bem controlada.

Finalmente, os pais devem certificar-se de que a escola tem um plano de emergência ou que, pelo menos, tem o seu contacto em caso de necessidade. Depois, certamente que tudo correrá pelo melhor!

Fontes:

http://www.aaaai.org/

Posted in Sem categoria

Asma, esteróides e ossos

A minha filha, hoje com 10 anos de idade, tem necessidade de tomar periodicamente corticosteróides para prevenir as crises de asma. A doença foi-lhe diagnosticada quando tinha apenas cinco anos. O médico disse-me que é preciso controlar a asma, mas eu ouvi dizer que os corticosteróides fazem mal aos ossos. É verdade?

Todos os medicamentos têm efeitos secundários. Os corticosteróides não são excepção. No entanto, os efeitos laterais dos medicamentos devem ser vistos como um mal menor.

Para começar, a asma mal controlada pode ser um risco para a saúde e até para a vida de crianças e adultos. Dependendo da gravidade da doença, os sintomas podem ser tão incapacitantes a ponto de atirar o doente para uma urgência do hospital, onde certamente terá de ser medicado. No fundo, apenas se adia a administração da medicação, mas não se consegue evitar. Além disso a medicação urgente é administrada em quantidades muito grandes num período curto de tempo, o que ainda será pior…

Pelo caminho, as exacerbações de asma vão deixando as suas marcas, quer a nível físico, quer psicológico, quer social. Está provado que as crianças com a asma mal controlada faltam mais vezes à escola, podem ser mais ansiosas e deprimidas ou ter menos auto-estima.

Quanto aos tão propalados efeitos dos corticosteróides nos ossos, um estudo recentemente publicado no Pediatrics, uma das publicações mais conceituadas na área da Pediatria, veio revelar que a administração diária de corticosteróides inalados em baixas doses faz baixar ligeiramente a densidade mineral óssea nos rapazes, mas todos mantiveram-se dentro dos níveis normais. Nas raparigas, não houve qualquer efeito.

O risco está, sobretudo, na administração por via oral. Assim, embora os corticosteróides inalados possam reduzir um pouco a densidade mineral óssea nos adolescentes, o risco de osteopenia é largamente compensado pelo facto de permitirem reduzir a quantidade de corticosteróides orais durante a infância, estes sim com efeitos mais vincados sobre os ossos.

Por outras palavras, os corticosteróides inalados não só previnem os ataques de asma como podem reduzir a necessidade de recorrer a corticosteróides orais, prevenindo, assim, uma efectiva redução da densidade mineral óssea no futuro.

De referir que este estudo seguiu, durante sete anos, 531 rapazes e 346 raparigas com asma ligeira a moderada e idades compreendidas, à partida, entre os 5 e os 12 anos.

A grande mensagem é: a medicação de prevenção é importante, não apenas hoje, no sentido de reduzir a probabilidade de uma crise, mas também no futuro, no sentido em que evitar medicações mais “pesadas”.

Se ainda ficou com dúvidas, fale com o seu médico.

Fontes:

http://pediatrics.aappublications.org/cgi/content/abstract

 

Posted in Sem categoria

Cientistas norte-americanos propõem segunda leitura dos testes alérgicos

Uma equipa de investigação da Mayo Clinic, Rochester, Minnesota (EUA), concluiu que os cinco dias de espera, após a realização de testes alérgicos para detecção de alergia de contacto, para a realização da leitura dos resultados podem não ser suficientes para detectar algumas alergias.

Os cientistas norte-americanos analisaram os registos da base de dados da Mayo Clinic com o propósito de determinar que alergéneos reagiram positivamente passados mais de cinco dias desde a realização dos testes. As conclusões, publicadas no Journal of the American Academy of Dermatology, demonstraram que, de 170 alergénios testados em 50 pacientes, 117 evidenciaram respostas diferentes ao 5.º, 7.º e 21.º dia.

Os autores propõem que se realizem duas leituras dos testes alérgicos, de forma a ser possível identificar os alergénios que reagem nos primeiros cinco dias (e que numa leitura muito tardia se poderiam dissipar) e aqueles cuja evidência é mais tardia. 

Fontes:

http://www.eblue.org/article/S0190-9622(08)00528-8/abstract

 

Posted in Sem categoria

Esteróides inaláveis mais seguros para os ossos dos rapazes asmáticos

Os esteróides inaláveis são mais seguros para os ossos das crianças asmáticas do que os esteróides orais, concluiu um estudo elaborado por cientistas da University of New Mexico, em Albuquerque (EUA), publicado recentemente na Pediatrics.

Sabia-se que os esteróides, necessários para controlar a asma, podem comprometer os níveis óptimos de densidade óssea, mas não existiam dados que ilustrassem o efeito destes medicamentos nas crianças. Neste estudo norte-americano foram avaliados 531 rapazes e 364 raparigas envolvidos no Childhood Asthma Management Program, com o objectivo de esclarecer os efeitos destes fármacos nos ossos dos mais novos.

Os resultados indicam que os esteróides não têm influência nos ossos das raparigas. Os investigadores pensam que este facto pode estar relacionado com o efeito protector concedido pelos estrogénios a partir da puberdade.

Embora nos rapazes tenha sido registada alguma perda óssea associada à toma de corticosteróides, o efeito é muito menos pronunciado quando este fármaco é tomado por via inalada do que quando é administrado oralmente.

 

Fontes:

http://pediatrics.aappublications.org

Posted in Sem categoria

Óleo de peixe na gravidez pode baixar risco de asma nas crianças

Tomar óleo de peixe (cápsulas de ómega 3) durante as últimas semanas de gestação pode reduzir o risco de a criança desenvolver asma, sugere um estudo financiado pela União Europeia e publicado no American Journal of Clinical Nutrition.

A equipa de investigação dinamarquesa, liderada por Sjurdurf F. Olsen, constituiu, em 1990, um grupo com mais de 500 mulheres grávidas, a quem foi pedido que tomassem diariamente, nas últimas dez semanas de gravidez, cápsulas de óleo de peixe, cápsulas de azeite, ou nenhum destes “suplementos”. 16 anos depois, os investigadores avaliaram os adolescentes que nasceram dessas gravidezes, tendo concluído que, entre os filhos das mulheres que tomaram óleo de peixe, o risco de terem asma era 63% menor e o risco de terem asma alérgica atingia mesmo uma redução na ordem dos 80%. Estudos laboratoriais reiteram a capacidade do ómega 3 de influenciar o sistema imunológico.

No entanto, os autores consideram que, dada a pequena dimensão da amostra, é necessário que outros estudos corroborem estes resultados, até se adoptarem recomendações relativas ao consumo de ómega 3 durante a gravidez. Assim, a equipa de investigação já está a preparar um novo trabalho que vai permitir avaliar 70 mil mulheres que deram à luz entre 1997 e 2003.

Fontes:

http://www.ajcn.org

Posted in Sem categoria

Pessoas obesas com risco maior de hospitalização

Os obesos com asma têm um risco cinco vezes maior de serem hospitalizados do que os asmáticos não obesos, indica um estudo recém-publicado no Journal of Allergy and Clinical Immunology.

Este é o primeiro estudo do género a controlar os vários factores de risco, como, por exemplo, o tabagismo, o uso de corticosteróides orais ou inalados ou a doença do refluxo gastroesofágico.

O estudo descobriu, ainda, que os doentes obesos e asmáticos têm uma menor qualidade de vida, sendo, geralmente, mais novos e com menos educação. Além disso, usam mais corticosteróides orais e têm uma incidência maior de doença do refluxo gastroesofágico.

De referir que outros estudos realizados anteriormente já haviam apontado para uma relação entre a obesidade e uma maior severidade da asma, bem como para um pior controlo da mesma.

 

Fontes:

http://www.eurekalert.org/pub_releases/2008-09/kp-opw082708.php

 

Posted in Sem categoria

Lei do tabaco diminui visitas à urgência

A legislação que proíbe o tabaco parece estar associada a uma diminuição de 22% no número de visitas ao serviço de urgência quer por parte de adultos, quer por parte de crianças. É, porém, nos adultos que esta quebra é mais visível.

É pelo menos isso que demonstra um estudo feito no Condado de Lexington-Fayette, no Kentucky, Estados Unidos da América, onde a lei proíbe o tabaco em todos os locais públicos, incluindo bares e restaurantes. Este Condado foi o primeiro a tornar-se “livre de tabaco”. O estudo pode ser lido no site do The Journal of Allergy and Clinical Imunology.

É sabido que o fumo do tabaco aumenta o risco para o desenvolvimento e agravamento dos sintomas de asma em qualquer idade. Ao reduzir a exposição ao cigarro, acredita-se que se conseguirá uma redução da sintomatologia e das crises e, como tal, uma diminuição dos casos urgentes que precisam de recorrer a um hospital.

Fontes:

http://www.jacionline.org/article/S0091-6749(08)01178-0/abstract

Patrocínio:
www.paraquenaolhefalteoar.com

Posted in Sem categoria